Destaques


Por Hidaiana Rosa •
11 novembro 2018

Agenda, planner ou bullet: o que escolher para se organizar?

Ser organizado é uma meta que consta na lista de desejos de muitas pessoas a cada começo de ano. Afinal, a sensação de tarefas cumpridas e sonhos realizados é muito gratificante. Eu já fiz um texto aqui no Blog da Hida explicando como organizar o dia a dia, mas você já refletiu sobre qual é o método mais eficaz para ter controle dos seus planejamentos

Depois que os planners e bullet journals ganharam popularidade no Brasil, parece que as agendas comuns ficaram sem graça, mas saiba que cada recurso possui uma característica e pode te ajudar a tirar os objetivos do papel.

Ausência de clareza prejudica a organização. Foto: Kaboompics

Para você que quer uma agenda

Com estrutura que lembra um livro, porém delimitada com os dias do calendário, a agenda é um recurso eficaz para pessoas que querem administrar as tarefas do dia a dia dentro de um tempo determinado. 

Utilizar uma agenda no cotidiano é muito simples, já que requer apenas que a pessoa anote as atividades em ordem cronológica, com uma sequência de horários e dias. Além disso, o método em si já vem pronto, bastando apenas registrar as informações que desejar. 

O legal da agenda é que a pessoa também pode decorar com adesivos e blocos de anotações como os post-its.

Se você tem uma rotina mais definida, com tarefas e horários que costumam se repetir, a agenda é um recurso viável. 

Para você que quer um planner

Planner é uma palavra em inglês que significa planejador. Diferentemente da agenda, que organiza as tarefas diárias, o planner engloba o controle de tudo que envolve a vida da pessoa como, por exemplo, rotina de trabalho, finanças, metas, novos projetos, anotações, viagens e o que mais for necessário para que os objetivos se concretizem. 

O planner incentiva a traçar metas para que a organização flua. No blog A.Craft tem um texto que revela como usar o planner para se organizar.


Embora exija um caderno, o Bullet Journal é na verdade uma metodologia criada por um designer e autor chamado Ryder Carroll. Diagnosticado com dificuldades de aprendizagem no início da vida, Carroll foi forçado a descobrir alternativas para ser focado e produtivo

Para iniciar este método de organização, basicamente a pessoa vai precisar de caderno e caneta. No bullet, todas as tarefas diárias são anotadas de forma rápida e direta, num formato de listas. Nesse tipo de organização, o próprio usuário define como será o layout que vai mostrar visualmente o seu dia, semana e mês. 

Existem pessoas que gostam de decorar o bullet e também há aquelas que curtem deixar as páginas mais limpas. E o bacana desse método é justamente isso: ser livre para criar e se adaptar de acordo com a sua rotina e objetivos. 

Controlar o passado, organizar o presente e planejar o futuro. É dessa forma que Ryder Carroll define o recurso e faz um passo a passo que ensina o que é bullet journal e como adotar este método

A Bruna Guimarães também produziu um guia para iniciantes explicando como usar o bullet.


0

Por Hidaiana Rosa •
29 agosto 2018

Sebo e Lojão: um lugar onde a leitura se renova


Possui livros novos ou usados e quer vender ou trocar? Fundado em 1988, o Sebo e Lojão - localizado na rua Barreto Leme, no Centro de Campinas -, é um espaço que facilita o acesso à leitura a partir de um sistema de troca e compra de obras literárias. Funciona assim: o leitor procura o sebo com os livros que deseja negociar e os títulos passam por análise de um funcionário da loja. Após a avaliação, o cliente pode receber o pagamento em dinheiro pela venda do livro ou até mesmo tem a possibilidade de trocar o título por outro disponível no acervo do sebo.

Além do sistema de troca, o sebo promete agradar quem está em busca de novos livros, já que a loja possui variedade de produtos e preços acessíveis. Atualmente, o espaço conta com um acervo de 18 mil livros. Há obras de literaturas estrangeira e nacional, quadrinhos, livros especializados e até mesmo títulos cobrados em provas de vestibular.
O atendimento no Sebo e Lojão ocorre de segunda a sexta, das 8h às 18h, e aos sábados, das 8h às 14h, na rua Barreto Leme, número 1265, no Centro de Campinas. Além do site próprio, o local tem vitrine no Estante Virtual.

1

Por Hidaiana Rosa •
27 agosto 2018

Livraria Pergaminho: dos livros clássicos ao mundo geek


Quem circula pelas ruas Bernardino de Campinas e Barão de Jaguara, no Centro de Campinas, com certeza já deve ter notado as vitrines da Livraria Pergaminho. Com quase 30 décadas de existência, a Pergaminho conta com duas unidades que comercializam desde livros clássicos até itens personalizados como miniaturas, canecas e placas decorativas.

Segundo Celso Soldera, proprietário da livraria, um dos objetivos da Pergaminho é levar variedade e atendimento de qualidade ao consumidor.

Quem entra no local pode circular livremente pelos corredores em busca de algum título e também conta com o apoio dos vendedores do espaço.

Entre o acervo da Pergaminho há obras da literatura estrangeira, nacionais, lançamentos e livros didáticos.

Além disso, caso o leitor esteja em busca de algum título que não tenha na loja, é possível pedir por encomenda.
O atendimento na Livraria Pergaminho ocorre de segunda a sexta, das 8h às 18h30, e aos sábados, das 9h às 13h. Para saber mais e consultar o endereço das unidades, acesse o site

1

Por Hidaiana Rosa •
20 agosto 2018

Vida de escritor: como divulgar o seu livro

Quem produz conteúdo sabe que divulgar o próprio material é uma tarefa que requer criatividade e constância. Pensando em ajudar escritores independentes, a Amazon promoveu a palestra "Estratégias de Divulgação do Autor Independente".

O evento ocorreu durante a Bienal do Livro, em São Paulo, e contou com a participação de três autoras - Juliana Dantas, Míddian Meireles e Kacau Tiamo - que compartilharam dicas sobre os caminhos que trilharam no processo de divulgação dos seus projetos literários.

Kacau Tiamo, autora do livro Intenso, disse que é fundamental que as pessoas não tenham vergonha de usar as redes sociais para falar sobre as histórias que criam. "Tem que ir com a cara e a coragem e falar do seu livro para as pessoas que te acompanham nas redes", recomenda.

Dona do livro Segredos e Mentiras, Juliana Dantas enfatiza que é importante que o autor independente crie parcerias. "Dá para investir em projetos com blogueiros literários, livrarias e até mesmo escritores. Tem que ficar atento em quem pode compartilhar o seu trabalho, em quem produz conteúdo que pode alavancar a sua história", explica Juliana.

Míddian Meireles, que escreveu o livro Nada Clichê, afirma que cuidar do visual do livro também é um processo importante. "Uma capa bonita chama a atenção do público", indica.

Kindle Direct Publishing

Ainda segundo as palestrantes, a ferramenta KDP (Kindle Direct Publishing) - plataforma gratuita da Amazon para publicação de livros independentes - ajuda no processo de divulgação do trabalho porque gera alcance para milhares de leitores. 

0

Por Hidaiana Rosa •
10 agosto 2018

Wallpapers gratuitos para personalizar o celular

Eu passo uma boa parte do meu tempo usando o celular por causa das demandas do trabalho e dia desses estava pensando em como gosto de deixar o aparelho personalizado com o meu jeito. Sempre que encontro um papel de parede bacana, baixo e instalo para deixar o smartphone mais bonitinho.

Já usei várias imagens como plano de fundo, mas as minhas favoritas são aquelas criadas por mulheres artistas. E neste texto quero apresentar uma seleção de wallpapers gratuitos produzidos por ilustradoras que compartilham projetos inspiradores na internet.

Para usar o papel de parede demonstrado aqui no blog, é necessário que você visite os perfis das artistas no Instagram e dê print na sua imagem favorita - as ilustradoras deixam os wallpapers em storie fixada no perfil. 

Depois disso é só acessar as configurações do seu celular para aplicar a imagem como plano de fundo. Bem simples, né? Se decidir usar um desses wallpapers citados aqui no blog, não esqueça de me marcar porque vou adorar ver a sua tela inicial. Ah, e claro, marque também quem fez a "ilustra" porque isso sempre incentiva quem trabalha com criação. 

Para ser redirecionado aos perfis das artistas que cito, é só clicar nas imagens do post.




3

Por Roberta Campos •
17 julho 2018

Caminho da coragem


Quem me conhece sabe que gosto de uma aventura. Mas se eu soubesse antes tudo que teria que passar pra fazer aquela trilha, nunca aceitaria sair do conforto do hotel naquele dia. E teria perdido um dos melhores momentos das minhas férias...

Eram nove da manhã e tínhamos pela frente 40 quilômetros de estrada até a Cachoeira dos Dragões, em Pirenópolis, Goiás. Os 25 km iniciais foram tranquilos no asfalto, mas os outros 15 km foram alternados em uma estrada de terra ora ruim, ora péssima. Era comum ver no trajeto placas dizendo: “Persista!”, “Você já está chegando!”.

Até que finalmente chegamos à propriedade que pertence a um Mosteiro Budista. Uma senhora veio nos dar as instruções da trilha de 4,5 km com oito cachoeiras. Entre as orientações, a que mais me chamou a atenção foi sobre os cuidados com as cobras que viviam em abundância no local. Oi???? Eu sei que vou para o meio do mato, que lá tem a possibilidade de encontrar cobras (que graças a Deus nunca encontrei), mas ninguém tinha me falado dessa facilidade de ver esse bicho na área.

Pela primeira vez, me peguei ouvindo alguns alertas como “se ela estiver passando pela trilha, pare um pouco e deixe ir embora... se ela estiver enrolada é que vai dar o bote em algum animalzinho. Pare e vá dando passos lentos para trás”. A naturalidade da senhora em tratar do assunto era proporcional ao medo que ia crescendo dentro de mim. Nunca me interessei em saber qual cobra é a mais venenosa e o que fazer se encontrasse uma porque se depender de mim, isso nunca vai acontecer.

Pois eu estava ali, prestes a encarar uma trilha cercada dos meus maiores medos. Tão distante da civilização que era impossível desistir. Não sabia se era melhor seguir na frente ou atrás do meu marido. A todo instante eu antecipava aquele encontro que poderia acontecer a qualquer momento. O medo me paralisou, me fez implorar para voltarmos pro carro e irmos pra piscina do hotel. Mas meu marido bateu o pé e eu não tive outra escolha senão começar a rezar baixinho pedindo proteção e olhar atentamente para a minha volta, pro presente, pro agora.

Cada cachoeira tem um nome relacionado com a mitologia dos dragões e traz histórias sobre a capacidade de transformação que cada um pode ter ao passar pelas dificuldades impostas pela vida. Dentro do treinamento Zen, seria como o peixe que entra no rio e, ao passar por cachoeiras, vai evoluindo, crescendo até se transformar num dragão.

A cada 500 metros de trilha, tinha uma cachoeira, linda! Parávamos para nos banhar, tirar fotos e admirar. Mesmo distraída com tanta energia boa, às vezes, me pegava pensando: só faltam cinco, só faltam quatro cachoeiras. Era o medo das cobras tentando atrapalhar meu presente, minha contemplação.

A terceira cachoeira me surpreendeu: a Pérola do Dragão é uma queda d´água em um pequeno poço que mais parecia uma banheira. Me esbaldei naquele lugar. Nadei, boiei, tirei fotos, senti uma energia incrível e sobretudo agradeci por estar ali sentindo e vivenciando aquele local abençoado.

Seguimos a trilha. O olhar atento. O susto era inevitável a cada lagartinho que se mexia no mato. Chegamos a quinta cachoeira e quando estávamos tomando sol nas pedras, um grupo de turistas veio nos perguntar se tínhamos passado pela terceira cachoeira. Eles saíram de lá porque uma cobra decidiu tomar sol nas pedras bem ao lado do grupo. Não preciso nem dizer que o fato me deixou ainda mais em alerta e acabou de vez com minha tranquilidade. Eu pensava a todo instante: podia ter sido eu!

Passamos por outras cachoeiras lindíssimas e comecei a refletir em como o medo nos domina na vida. É claro que esse sentimento nos ajuda a ficarmos vivos, mas temos que dar limites a ele. E exatamente em um templo de meditação budista eu estava tendo uma aula com a natureza. Temos que estar atentos a nossa ação, o tempo todo. Mas não podemos deixar a nossa mente nos paralisar diante dos medos e dos percalços da vida.

Entrei em todas as cachoeiras. A última é um troféu. Um poço que mais parece um ofurô no alto da montanha em uma das paisagens mais fantásticas da minha vida. Ali, relaxei por alguns instantes. Tinha mais um quilometro de caminhada para encerrar a trilha e na minha cabeça o mal poderia aparecer exatamente nesse momento de distração. Eu tinha certeza que ainda ia encontrar uma cobrinha amiga pela frente.

Fiz o trajeto rezando e observando até passar a porteira final da trilha. A partir dali, comecei a agradecer. Não perdi meu medo de cobras, longe disso. Mas aprendi que temos que enfrentar o que nos assusta, paralisa. O medo não pode ser a pedra que te impede de seguir no trajeto que você traçou pra sua vida. Você tem que transformá-lo em um aliado que te permite estar sempre atento.

Fui embora me sentindo mais corajosa e com uma felicidade sem fim de ter conhecido dois lugares lindos naquele dia: o complexo de cachoeiras e mais um pouquinho do meu eu interior.
A ilustração deste texto foi criada por Jânio Garcia - ilustrador 2D e professor de Arte Digital da Pandora Escola de Arte - e pelo aluno do curso de Ilustração de Mercado e ilustrador 2D, Danilo Freitas. Para conhecer a escola Pandora, clique AQUI. Já o portfólio do Jânio Garcia pode ser visto AQUI e o portfólio do Danilo Freitas está disponível NESTE link.
0
siga no instagram hidaianarosa
subir

Blogger © Blog da Hida

Referência: pipdig.co • Desenvolvido com por iunique