Início Sobre contato anuncie recomendo

O nome da morte



Inesquecível. Essa é a palavra mais apropriada para descrever o livro "O nome da morte - A história real de Júlio Santana, o homem que já matou 492 pessoas". Escrita pelo jornalista Klester Cavalcanti, a obra conta a história de um pistoleiro profissional que nos últimos 35 anos assassinou quase 500 pessoas. Júlio Santana, o protagonista do livro, bem que poderia ser um personagem de ficção, mas ele existe de verdade e tem endereço e família.

Depois de matar, Júlio Santana reza dez ave-marias e vinte pai-nossos para pedir perdão. Tem medo de acabar no inferno. Foi assim após atingir no Araguaia, em 1972, a jovem guerrilheira Maria Lúcia Petit, na mesma época em que acertou de raspão e auxiliou na captura do futuro político José Genoino. E foi assim também depois de matar as outras quase 500 vítimas registradas num caderninho do Pato Donald. Sem ideologia, Júlio mata por ofício. Uma profissão que aprendeu em família, com seu tio Cícero, que lhe passou um trabalho aos 17 anos. 

Mas contar a história de um assassino profissional não é tarefa fácil. Foram necessários sete anos de conversas para que Júlio Santana autorizasse o escritor Klester Cavalcanti a colocar o seu verdadeiro nome no livro. "Na primeira vez em que nos falamos, em março de 1999, ele concordou em me contar sua história, mas não queria revelar sua identidade nem permitir que eu, ou qualquer pessoa, o fotografasse. Nada mais compreensível. O homem com quem eu passaria a conversar a partir daquele dia, a uma média de uma entrevista por mês, é um assassino profissional. Das 492 mortes, 487 foram devidamente registradas num caderno, com data, local do crime, quanto ele recebeu pelo serviço e, o mais importante, os nomes dos mandantes das vítimas", conta o jornalista Klester logo na abertura do livro.

O que faz de "O nome da morte" uma obra inesquecível é a profundidade com que o autor mergulha na história de Júlio. Klester não se limita apenas a reproduzir as palavras do matador e, a partir do que ouve, faz um trabalho de reconstituição de cenas, diálogos, paisagens, gestos e sensações. Cabe ao leitor fazer o julgamento e decidir se Júlio Santana é mocinho ou vilão. Mas uma coisa é certeza: Júlio é um personagem memorável.
LIVRO: O nome da morte
AUTOR: Klester Cavalcanti
EDITORA: Planeta
TAMANHO: 245 páginas
Continue Lendo

Relíquias literárias


Sites e redes sociais de editoras servem para divulgar eventos e livros das editoras, certo? Sim, certo, mas não é apenas isso. Se vasculhar com paciência é possível encontrar dicas e textos interessantes sobre o universo literário. Pensando nisso, esse é o primeiro texto de muitos que aparecerão aqui no Blog da Hida para compartilhar e registrar "relíquias literárias" existentes nas plataformas virtuais das editoras.

Para iniciar a nossa série, fiz um apanhado de assuntos interessantes que foram compartilhados no site e na página do Facebook da Geração Editorial, editora parceira do Blog da Hida. (Clique AQUI para ler o texto sobre a parceria)

No site

A Geração Editorial tem um blog hospedado dentro do site da editora. A página é repleta de informações úteis sobre livros, cultura e diversão. Quer ver? Então, vou apresentar alguns artigos interessantes que achei por lá.

- Você prefere almoçar rapidinho e perto do trabalho para dar tempo de visitar um sebo e uma livraria no horário do almoço? Se respondeu que sim, saiba que comete uma das 10 atitudes típicas de um viciado em livros. Veja a lista completa AQUI no blog da Geração Editorial.

- Quando o assunto é livro, não existe coisa mais chata do que emprestar uma obra literária para o amigo e receber a mesma rasurada, não é? Por isso, um dos 13 mandamentos da ética do livro é "Trate o livro alheio como gostaria que o seu fosse tratado. Não rasure, suje ou rasgue". Clique AQUI e mostre para aquele amigo folgado como é que as coisas devem ser.

- "Agatha Christie lia 200 livros por ano, enquanto que o fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, termina um a cada duas semanas. O ex-presidente dos Estados Unidos Theodore Roosevelt lia um livro por dia e até dois ou três, se tinha uma noite mais tranquila. Mas como as pessoas em geral podem conseguir fazer isso?". Leia dicas AQUI no blog da editora. 

No Facebook

Além de promoções, lançamentos literários e dicas, a página da Geração Editorial no Facebook é repleta de imagens inspiradoras e memes divertidos. A foto que está aqui acima foi retirada de lá, assim como as demais que seguem abaixo. Confira!






Continue Lendo
© Blog da Hida | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Colorindo Design | Tecnologia do Blogger.